Brazil

  1. Lifree
  2. Prevenção da Demência
  3. O que causa a demência?

Quais são alguns dos fatores?

Entre os fatores que aumentam o risco de demência, aqueles que não podem ser controlados, como envelhecimento e genética, respondem por 65% de toda a população com demência, enquanto aqueles que são conhecidos e podem ser melhorados, como tabagismo e não praticar exercícios, correspondem a 35%. Entre os fatores, a “audição” representa uma alta porcentagem de 9%, e está claramente ligado a uma queda na função cognitiva, pois problemas de audição dificultam a comunicação.

Outros fatores relevantes são os seguintes.

Fatores relacionados

Hábitos de estilo de vida, como não fazer exercícios e tabagismo

Pesquisas sobre a relação entre exercício e demência são feitas há muito tempo, e sabe-se que o risco de demência é maior em pessoas que não caminham muito ou que não têm o hábito de se exercitar em comparação com as que fazem isso. Além de não praticar exercícios, um histórico de tabagismo também está ligado a doenças relacionadas ao estilo de vida, como pressão alta e derrame, e aumenta o risco de demência.

A doença periodontal também causa vários efeitos

A doença periodontal costuma ser vista como um problema apenas da boca, mas vem ganhando atenção por sua estreita relação com a demência.

A doença periodontal afeta os vasos sanguíneos e o sangue, pois faz com que as gengivas estejam sempre inflamadas e está ligada à arteriosclerose e ao diabetes, que aumentam o risco de demência. Além disso, a perda de dentes limita os alimentos que a pessoa pode comer, interrompendo o equilíbrio nutricional e, por sua vez, enfraquecendo os músculos e os ossos, causando perda de massa ativa. Isso está associado a uma diminuição da volição e ao surgimento da demência.

Impacto dos anos de escolaridade, falta de atividade intelectual

Pesquisas realizadas nos Estados Unidos mostraram que gerações que não possuem um sistema educacional desenvolvido tinham maior probabilidade de desenvolver demência do que as gerações mais recentes. Acredita-se que isso se deva à relação entre o número de anos de escolaridade e o risco de demência.

Além disso, a diminuição das oportunidades de atividade intelectual, como desafiar-se a experimentar coisas novas, concentrar-se e aprender alguma coisa, está ligada a uma queda na função cognitiva.

Diminuição das interações sociais, como conhecer pessoas

Interagir e conversar com pessoas são atividades que usam uma grande quantidade de funções de memória e fala. Fazer uma única promessa de encontrar-se com alguém usa ativamente o cérebro de várias maneiras, como pensar em planos, decidir sobre o transporte, etc. Conversas que progridem com base nas reações do outro também estimulam o cérebro.

Quando essas oportunidades diminuem, elas se relacionam a uma queda na função cognitiva, caracterizada pela dificuldade em lembrar palavras, lembrar coisas e tornar-se complacente.

Diminuição da saúde mental decorrente de estresse

Quando você está mais estressado, é mais fácil cair em depressão, afetando as funções mentais, físicas e cognitivas. Foi relatado que pessoas propensas à depressão têm um risco duas a três vezes maior de demência do que pessoas que não têm. No entanto, como a demência em si pode causar depressão, é difícil distinguir a depressão da demência e, portanto, ainda existem discussões sobre o que acontece primeiro.

Por favor, selecione um site para comprar

(direcionamento para link externo)